Loading...

terça-feira, 22 de março de 2011

DIA MUNDIAL DA ÁGUA


Dia 22 de março comemora-se o "Dia Mundial da Água". Esse elemento básico para a vida. Básico, simples, mas jamais reproduzido em laboratório. Embora a fórmula seja simples - dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio (H2O) - ela nunca foi sintetizada. Não sendo possível reproduzi-la, resta aos governos duas alternativas que já vem sendo utilizadas com sucesso em alguns países: a reciclagem da água de esgoto e a dessalinização da água salgada. O grande empecilho a estas medidas são seus custos. Ainda que os custos destes processos tenham barateado nos últimos anos, eles continuam caros quando comparados a mera capitação e tratamento da água doce.
A questão da água potável é delicada e séria. É um tema que não se restringe apenas a governantes e técnicos, mas também à população em geral, que deve se informar sobre o assunto, educar-se para evitar o desperdício.
Se até alguns anos atrás, a ideia de pessoas duelando por fontes de água em um mundo desértico só passava pela cabeça de roteiristas de filmes futuristas de gosto duvidoso, hoje esta previsão sombria faz parte da agenda de preocupações da Organização das Nações Unidas (ONU).
No exato momento em que você lê este artigo há pessoas com sede e sem água para beber. Pode parecer estranho afirmar que a água doce, a água potável, do planeta está atingindo níveis críticos quando praticamente 80% de sua superfície é coberta por água, porém, nem toda esta água é potável. Grande parte da água que encobre o planeta é salgada. E, ainda, parte das reservas de água doce estão sendo poluídas: através dos esgotos domésticos e industriais não tratados, do uso indiscriminado de agrotóxicos na agricultura; desperdiçadas: através da irrigação de plantações, mau uso de água tratada; ou, ameaças: ocupação de áreas de mananciais, desertificação de regiões desmatadas.

Mesmo países com grandes reservas de água doce, como é o caso do Brasil, EUA e África do Sul, já enfrentaram ou enfrentam problemas com abastecimento de água em algumas regiões. Para nos atermos apenas ao caso específico de nosso país e desconsiderando os problemas crônicos de seca de determinadas regiões do Nordeste, a grande São Paulo já passou por vários problemas de abastecimento, impondo severos racionamentos de água à sua população.

Caro aluno, reflita sobre o que você acabou de ler e deixe aqui um comentário e/ou uma dica de como resolver a questão da falta de água potável no mundo. O que nós, como cidadãos e consumidores de água podemos fazer? Opine e registre aqui a suas ideias.

ITABIRITO FARÁ ENERGIA COM LIXO

Publicado no Jornal OTEMPO, por HELENICE LAGUARDIA

Pioneira. Usina de Itabirito será a primeira do Brasil a utilizar a tecnologia de plasma para geração.
Itabirito, a 55 km de Belo Horizonte, será a primeira cidade do Brasil a receber uma usina que vai utilizar o gás de plasma, a partir do lixo, para gerar energia elétrica. A tecnologia é capaz de reduzir em até 99% do volume de resíduos.


Com obras previstas para começarem abril deste ano, a HE-High Energy, de São Paulo, vai investir R$ 300 milhões para construir a usina num terreno de 12.000 metros quadrados doado pela prefeitura da cidade.
“É uma usina modular (pode aumentar ou diminuir de tamanho). A princípio ela vai processar 200 toneladas de lixo por dia”, explicou o secretário executivo do Consórcio de Desenvolvimento da Região dos Inconfidentes (Coderi), João Humberto Cabral Danese.
A origem do lixo será dos municípios de Ouro Preto, Mariana, Itabirito, Nova Lima e Raposos. Serão utilizados resíduos sólidos, hospitalares e rejeitos de construção civil. A princípio, contou Danese, será uma usina de médio porte e, se os municípios da região metropolitana de Belo Horizonte quiserem, ela pode funcionar 24 horas por dia. Inicialmente, a usina vai trabalhar de oito horas a 16 horas por dia. “Há um projeto de também explorarmos o esgoto, porque o lodo dele também gera energia”, disse.
Na geração de empregos, os catadores vão ganhar com a nova usina. “A máquina é como uma espinha de peixe que vai separando o lixo que chega e os catadores vão dividindo o que é reciclável”, explicou João Humberto.
A usina vai atender, inicialmente, às empresas da região. “Itabirito foi escolhida por estar mais próxima do desenvolvimento de grandes empresas como a Delphi (que fabrica chicotes elétricos) e a Vale. Além disso, outros municípios vão utilizar o aterro da cidade”, justificou João Humberto.
A usina de energia elétrica feita de lixo está em processo de obtenção da documentação necessária e as obras não podem começar antes de ser liberado o licenciamento ambiental, entre outras autorizações.

ENTENDA O TSUNAMI

São ondas marinhas de origem sísmica. São gerados por tremores submarinos. A maioria dos tsunamis se origina na região denominada Anel de Fogo, uma zona de vulcões e atividade sísmica ao redor do oceano Pacífico.
Um tsunami pode percorrer centenas de quilômetros em alto mar e alcançar velocidades de aproximadamente 725 ou 800 quilômetros por hora. Veja o esquema abaixo:


No Japão, as consequências do tsunami foram agravadas pelo fato de uma usina nuclear ser atingida. As últimas informações é que grande parte da população japonesa está enfrentando problemas sérios com o vazamento de material radiotivo.